Estimativa de crédito rural para próxima safra não atende necessidade do setor, diz Coopavel

Segundo o presidente da cooperativa, apenas para equalização das taxas de financiamento, o governo precisa destinar mais R$ 1,5 bilhão

Com as taxas de juros das novas contratações de linhas de crédito rural suspensas por falta de recursos para a equalização das taxas de juros, o setor agrícola se mobiliza para encontrar soluções e diminuir os impactos com custeio e investimento no campo. Os recursos bloqueados somam R$ 24,7 bilhões, que seriam destinados ao Pronaf e Pronamp. Para o ciclo 2022/23 os desafios devem ser ainda maiores. O governo estima que serão necessários R$ 819 milhões para equalizar as taxas de juros do Plano Safra 2022/23.

O atual plano foi elaborado com a Selic abaixo de 3%. Em abril de 2021, a taxa básica de juros era de 2,75% ao ano e, hoje, a mesma tarifa passa de 10%. “Nós estamos em sintonia com as cooperativas para discutir taxas de juros. Temos que manter essas taxas, porque a resposta da agricultura foi muito boa. Estamos colhendo uma de grãos de 269 milhões de toneladas e tivemos uma quebra de 15 milhões de toneladas na região Sul e Mato Grosso do Sul. Então, mantendo as taxas, o produtor vai renovar a sua frota, vai gerar emprego e vai colocar mais tecnologia na propriedade”, comenta Dilvo Grolli, presidente da Cooperativa Agroindustrial de Cascavel (Coopavel).

Ainda de acordo com Grolli, a estimativa de crédito para a próxima safra é boa, mas não atende a necessidade do setor.

“Nós precisamos de R$ 3 bilhões para equalização de taxas de financiamento, já prometido para os associados e com muitas cédulas e investimentos já assinados. O governo assinou agora com R$ 1,5 bilhões. Eu acho que já é um bom caminho, pois é 50% do que nós precisamos, mas ainda vai faltar R$ 1,5 para completar”.