Feijão: épocas de cultivo e controle de plantas daninhas

O Feijão é cultivado em três safras distintas ao longo do ano agrí­cola, confira!

feijão é uma excelente fonte proteica, possui bom conteúdo de carboidratos e riqueza em ferro, características essas, que fazem da cultura um dos mais importantes constituintes da dieta brasileira.

Além disso, o feijão também tem importância na geração de receitas dos pequenos produtores familiares. Sua produção é bem distribuída pelo território brasileiro, sendo cultivado em três safras distintas ao longo do ano agrícola: 1ª safra ou safra das águas, 2ª safra ou safra da seca e 3ª safra ou safra de inverno.

A safra das águas (1ª safra) é realizada, principalmente, nas regiões Sul e Sudeste e nos estados de Goiás e Bahia, representando 46% da produção brasileira de feijão. O plantio se estende de julho a outubro e a colheita de novembro a dezembro. A safra da seca (2ª safra) acontece nas regiões Nordeste, Sul e Sudeste, representando 31% da produção. O período de plantio inicia em janeiro e se estende até março e a colheita é feita de abril a final de julho. Já a safra de inverno (3ª safra) é realizada nos estados de Minas Gerais, Goiás, São Paulo e Bahia, representado 23% da produção brasileira. O plantio é feito durante o inverno (abril a julho), com necessidade de irrigação e a colheita é realizada nos meses de agosto a outubro.

Como podemos observar, o cultivo de feijão pode ser feito em diversas épocas do ano, em diferentes regiões e nas mais variadas condições edafoclimáticas. Portanto, o feijoeiro pode sofrer interferência de diversas espécies de plantas daninhas, que irão competir com a cultura por recursos como água, luz e nutrientes. Por apresentar ciclo curto (cerca de 90 dias), o feijoeiro é mais sensível à competição, principalmente nos estádios iniciais de desenvolvimento.

Para realizar um manejo eficiente das plantas daninhas no cultivo de feijão devemos observar as condições climáticas e as características físico-químicas dos herbicidas, principalmente no momento da implantação da cultura. É preciso levar em consideração que na 1ª safra a época de plantio inicia-se no período seco do ano, portanto, há a necessidade de herbicidas com maior solubilidade, visto que a quantidade de água no ambiente é escassa. Enquanto que nas 2ª e 3ª safras, a época de plantio está relacionada com a presença de água (irrigação no caso da 3ª safra), portanto, herbicidas com solubilidade mais baixa são mais eficientes, promovendo controle por maior tempo.

Quando se trata do controle em pós-emergência, devemos tomar cuidado com o efeito antagonista que existe quando há a associação de herbicidas latifolicidas e graminicidas. Segundo diversos autores, recomenda-se realizar o controle das plantas daninhas de folhas largas no inicio do desenvolvimento do feijoeiro, visto que, nesse instante a sua área foliar é pequena (crescimento inicial lento) e os herbicidas graminicidas são seletivos ao feijão. Exemplos de herbicidas latifolicidas utilizados na cultura do feijão são bentazon, imazamox e fomesafen, enquanto que os herbicidas graminicidas são sethoxydim, clethodim, haloxyfop, fluazifop, dentre outros.

Vale ressaltar que o nível de infestação das plantas daninhas pode determinar o manejo a ser realizado, de forma que ocorram as menores perdas de produtividade.

Fonte: BLOG AGRO BASF

http://www.blogagrobasf.com.br/noticia?id=688